Como vai a família?

Como vai a família?

“O tempo passa e nem tudo fica
A obra inteira de uma vida
O que se move e
O que nunca vai se mover…”

(Sobre o tempo – Nenhum de nós)

Já parou para perguntar, como está sua família? Como o seu tempo está sendo utilizado? Quais são as obras que está deixando para seus filhos e cônjuge, netos, netas? Quais as prioridades, medos e frustrações?

Está valendo a pena continuar da mesma forma, com os mesmos costumes? Consegue perceber a alegria do filho mais velho, seus medos, a satisfação com determinada música ou youtuber?

E de seus netos? Qual o último livro que seu neto (a) leu ou coloriu? Qual dia ele (a) mais gosta? Conhece algum sonho de seus netos (as), e de seus filhos (as)? Qual a quantidade de tempo está com eles (as)? Está sendo suficiente e de qualidade?

E seu/sua cônjuge? Quais seus anseios? Quando saíram para curtir um ao outro? Jantar sozinhos, ter momentos para não fazer nada, apenas estarem juntos…

O tempo passa e de repente você perdeu um sorriso diferente, se excluiu de apoiar um de seus tesouros a conquistar algo ou lutar contra si mesmo.

Qual a lembrança que deseja que seus filhos, netos e companheiros tenham de você? De que forma deseja ser lembrado? Daqui uns 20, 30 anos… Quando o tempo já passou. Será que você é realmente quem deseja ser?

Hoje, famílias se desfazem com uma rapidez absurda. O egoísmo, orgulho, preconceito, inflexibilidade, estão deixando filhos órfãos. E o pior é que os adultos não percebem, ou escondem de si mesmos, o que poderia melhorar olhando para o outro com um olhar de perdão e resiliência.

Será que os valores que você passa para seus sucessores realmente é o que está dentro de você? Pense, avalie. O tempo passa e cada vez mais famílias estão se perdendo. O que você pode fazer para não ter este “triste” fim?

(Fotos: Reprodução / Internet / Google / Pinterest / Freepik)