Dicas do Victor – Dicionário de viagens (Parte 1)

Dicas do Victor – Dicionário de viagens (Parte 1)

Viajar é muito bom, mas muitas pessoas me perguntam alguns termos usados no turismo “como linguagem universal”. Pensando nisso, aqui vai a primeira parte de um resuminho que chamo de minidicionário do viajante.

Acredito que agora irá ajudar a entender essa linguagem, seja nos hotéis, nos aviões ou em outros lugares. Dividi em duas partes para não ficar tão longo e cansativo de ler.

Check-in – Esse termo é muito utilizado e com certeza todos já se depararam com ele. É quando você está “entrando”. Este termo é utilizado tanto para viagens de avião quanto quando você está entrando em um hotel.

dicas-do-victor-dicionario-de-viagens-parte-1-OESTILO4

Em viagens de avião, chama-se check-in a confirmação de que você vai mesmo fazer aquele voo. Existem várias formas de fazer o check-in. A mais tradicional é quando você chega ao aeroporto e vai ao balcão da companhia aérea, entrega seus documentos e o próprio funcionário faz o processo, te entregando o bilhete da passagem (Boarding pass) com todas as informações de embarque: portão, hora de embarque, poltrona no avião, etc. Mas este processo vem diminuindo, pois as empresas estão substituindo o check-in pessoal pelas máquinas. Hoje, junto ao balcão da companhia aérea existem totens (espécie de computador) onde você mesmo faz seu check-in. Não se desespere, basta seguir as instruções e é superfácil. No mais, sempre há um funcionário por perto para ajudar. E a máquina imprime o bilhete da passagem.

A outra forma de fazer o check-in é pela internet. Você mesmo faz o precedimento no site da companhia aérea e imprime o cartão de embarque em casa. Chegando ao aeroporto, pode se dirigir direto ao “portão de embarque” (GATE), caso não vá despachar mala, ou ir ao balcão da companhia aérea apenas para despachar as malas.

Existem também alguns aplicativos para aparelhos móveis (tablets e celulares) nos quais você pode fazer o check-in e automaticamente gerar um cartão de embarque eletrônico com código de barras ou código QR.

Checkout É o contrário do Check in, é quando você está “saindo”. Essa palavra é mais utilizada nos hotéis, é o momento em que o hóspede deixa o seu quarto e paga a conta para sair do hotel. Os hotéis têm uma hora máxima padrão para o hóspede realizar o checkout, que geralmente é em torno das 12h.

Boarding pass – Significa cartão de embarque, documento usado para poder entrar no avião e pegar o voo para o seu destino. Ele sempre deve ser apresentado junto com seu documento pessoal com foto (se a viagem for nacional, portar RG/CNH; caso seja internacional estar com passaporte válido)

Totens – Torres eletrônicas de fácil acesso que ajudam no ato do check-in de companhias aéreas, locação de carros entre outros estabelecimentos. São autoexplicativos. Porém, sempre terá uma pessoa da empresa a quem pode pedir uma ajuda.

GATE – Esse nome indica o portão de embarque ao qual irá passar para pegar seu voo, o mesmo pode ter números e/ou letras, depende do tamanho do aeroporto.

dicas-do-victor-dicionario-de-viagens-parte-1-OESTILO3
Despachar bagagem – É praticamente colocar as bagagens no “porta-malas” do avião. Ela será etiquetada e você volta a vê-la naquelas esteiras de bagagem no destino final. Algumas pessoas costumam não despachar a bagagem para evitar ter que esperar que ela chegue na esteira e poder sair mais rápido do aeroporto, ou então não correr o risco de extravio. Nesse caso, fique atento ao tamanho máximo permitido para a bagagem de mão e também aos itens que são proibidos de levar no avião, pois alguns só podem ser levados se for na bagagem despachada. Ao retirar a bagagem da esteira, verifique com cuidado se a mesma está em perfeito estado, se não foi danificada. Caso não esteja da maneira que você descachou, procure um funcionário da cia aérea para abrir um “Report”.

Report – Termo usado para abrir uma reclamação de bagagem danificada pela cia aérea. Também pode ser usado em hotéis e serviços quando você quer fazer uma reclamação a um superior/gerente.

E-ticket – Com a modernidade e tecnologia de hoje em dia, as passagens em papel estão sendo cada vez menos usadas e o E-ticket é o resultado disso. É um bilhete eletrônico, com todos os detalhes da viagem, só que no celular ou tablet. Ao invés de mostrar a passagem de papel na hora do embarque, você mostra o e-ticket e tá tudo certo!

Taxa de embarque – Todo aeroporto tem a sua taxa de embargue, que varia de preço. É um valor obrigatório que é cobrado no ato da compra das passagens e vai para o órgão administrador do aeroporto.

Múltiplos destinos – Também conhecido como “Open Jaw, múltiplos destinos é quando você compra vários trechos em uma mesma reserva aérea, dessa forma fica honrado o peso das malas despachadas.

Surface – É quando a passagem de ida é diferente da volta. Por exemplo, eu faço uma única compra de passagem de São Paulo com destino Londres e na volta venho de Paris para São Paulo. É muito útil para quem pretende passar por várias cidades, pois, às vezes, ter que voltar para a origem só para pegar o voo de volta é muito trabalhoso. Pode ser também a troca de um aeroporto na mesma cidade, por exemplo: Um voo com origem em FOR – Fortaleza com Destino final POA – Porto alegre com Conexão em SAO – São Paulo, chagando pelo aeroporto de GRU – Guarulhos e tendo saída do de CGH – Congonhas. Sempre ficar atento a esse detalhe, mas seu agente de viagens nunca deixará passar despercebida essa informação.

Stop-over – Seria como uma conexão mais demorada, que tenha mais de 24 horas, recebe o nome de Stop-over, uma parada, eu diria. Algumas pessoas usam essa parada para conhecer rapidamente um destino. Algumas companhias aéreas já não aceitam mais esse procedimento.

One Way – É a passagem só de ida ou só de volta, ou seja, “um caminho” ou “um único trecho”, em tradução livre. Geralmente saem mais caras do que se você já fizer a compra das passagens de ida e volta juntas em destinos internacionais.

dicas-do-victor-dicionario-de-viagens-parte-1-OESTILO2
Round trip – É a compra de passagem de ida e volta, que é o que a maioria das pessoas fazem. Selecionar data de ida e de volta juntas faz com que os valores finais saiam mais baratos do que comprar os trechos separadamente.

No-show – Você comprou uma passagem e por algum motivo não pôde comparecer. Aí você deixa quieto, afinal, já pagou por ela então tanto faz se você usou ou não a passagem, certo? Errado.

Na maioria das vezes realmente pode não acontecer nada, mas dependendo da companhia aérea, se você não comparecer no embarque e não avisar com antecedência (seja para cancelar ou efetuar troca de passagem) elas podem fazer uma cobrança. O No-Show é isso, o não comparecimento para o voo. Gosto de avisar que se tem uma reserva emitida de um bilhete ida e volta, caso não compareça para embarque na ida, a cia aérea automaticamente cancela sua volta, pois entende-se que se você não embarcou para ir, não irá voltar.

Voo direto
– Literalmente um voo direto ao destino final, sem paradas. É conhecido também como “Nonstop. Voos diretos minimizam cansaços de viagens por se tornaram mais curtos e rápidos.

Escala – Diferente da conexão, a escala é uma parada que a aeronave faz, seja para abastecer ou embarcar e desembarcar passageiros. Porém, neste caso, não é preciso o passageiro descer do avião se não for seu destino final.

Conexão – É quando o passageiro terá que trocar de aeronave em uma cidade que ainda não é seu destino final, assim facilitando também a logística no deslocamento. Em relação às bagagens, geralmente elas já são enviadas para o destino final e você nem precisa se preocupar com elas, na cidade da troca (conexão).

Agora que você está munido de uma boa parte desse novo vocabulário, pronto para colocá-lo em prática? Tenho certeza que sua próxima viagem já terá um olhar todo especial.

*Se você está de viagem marcada, não esqueça jamais de seu Seguro Viagem. Lembre-se que é obrigatório para a Europa. Mas, mesmo para os países que não são obrigatórios, como os EUA, eu recomendo que nunca viagem sem a cobertura de um bom seguro, já que o sistema de saúde lá é caríssimo. A cobertura desses seguros são para casos médicos ou imprevistos durante a viagem (extravio de bagagem por exemplo ou até minimizar custos com cancelamento antes da sua viagem).

Pareciros ATUALIZADOS COM LOGO IG NOVA 170817 (1)