A história da moda – Década de 1940

A história da moda – Década de 1940

Olá leitores! Voltamos com a série sobre a história da moda e hoje vamos falar como que esse mercado foi afetado pela Segunda Guerra Mundial, que aconteceu durante a década de quarenta.

As roupas foram racionadas na Grã-Bretanha a partir de 1º de junho de 1941. Isso limitou a quantidade de roupas novas que as pessoas poderiam comprar até 1949, quatro anos após o fim da guerra.

O esquema de racionamento funcionou da seguinte maneira: cada tipo de roupa tinha o seu valor em pontos, que era determinado conforme a quantidade de material e mão de obra utilizados em sua fabricação. Então, por exemplo, para comprar um vestido eram necessários onze cupons, para uma camisa masculina seriam necessários oito cupons, para um par de meias, dois cupons. Para um par de sapatos femininos precisava-se de cinco cupons.

historia-da-moda-decada-de-1940-OESTILO2

Cupons para a compra de roupas novas.

A cada vez que roupas novas eram compradas, a pessoa tinha que entregar os cupons de acordo com os pontos e o valor em dinheiro também. Todos os adultos receberam, a princípio, sessenta e seis pontos para um ano, mas isso foi diminuindo de acordo com a progressão da guerra.

Para as crianças, os cupons tinham valores mais baixos por roupas, já que elas precisariam de roupas novas com mais frequência à medida que cresciam. A partir de 1942, todas as crianças receberam dez cupons extras.

Nessa época, houve uma campanha do governo conhecida como Make Do and Mend, que teria uma tradução como “Faça e Conserte”. A mesma foi lançada para encorajar as pessoas a fazerem suas roupas durarem mais tempo. O cuidado da roupa era uma parte fundamental da mensagem transmitida por essa campanha.

Foram distribuídos cartazes e folhetos com informações do tipo: como prevenir dano às peças de lã, como fazer os sapatos durarem mais ou cuidar de tecidos que exigiam mais atenção ao lavar, por exemplo. À medida que a guerra continuava, comprar novos artigos estava severamente restringido por limites de cupom e não era mais uma opção para muitas pessoas.

Loja de tecidos.

Loja de tecidos.

A capacidade de reparar, renovar e fazer a própria roupa tornou-se cada vez mais importante. Fazer roupas era geralmente mais barato e ainda ajudava a economizar cupons. Esse foi um momento em que muitas pessoas demonstraram grande criatividade! E também foram se adaptando muito bem ao racionamento.

Com a escassez, as pessoas tiveram que criar peças a partir de materiais que não imaginavam. A seda de paraquedas era muito apreciada pela roupa íntima, roupa de noite e vestidos de noiva.

Em março de 1949 o racionamento acabou e com ele veio uma surpresa!

Christian Dior.

Christian Dior.

Imaginava-se que, seriam mantidas as peças com mais praticidade, as mesmas que foram adotadas no período da guerra, mantendo-se assim o que Chanel havia deixado. Mas o estilista Christian Dior, já em sua primeira coleção, acabou trazendo saias rodadas, sapatos de saltos altos e luvas. E ele fez o maior sucesso! O que indicou que as mulheres desejavam esse luxo que havia sido perdido durante o racionamento. E a moda da década seguinte vem cheia de feminilidade!

Aguardem o próximo texto!

 

(Fotos: Reprodução / Internet)