Óleo de Coco – Vilão ou Mocinho?

Óleo de Coco – Vilão ou Mocinho?

Recentemente, a pesquisadora de Harvard Karin Michel afirmou que óleo de coco é veneno, pois contêm quase que exclusivamente ácidos graxos saturados, responsáveis pelo aumento do colesterol.

Karin é professora de escola de saúde pública da Universidade de Harvard, nos EUA, e diretora do Instituto de Prevenção e Epidemiologia de Tumores da Universidade de Friburgo, na Alemanha. A afirmação de Karin Michel foi feita durante um evento intitulado “Óleo de Coco e outros Erros Institucionais”.

Quando alguém de tamanho gabarito faz uma afirmativa dessas é importante analisar. A própria OMS (Organização Mundial da Saúde) já anunciou que as gorduras saturadas não são tão vilãs assim, mas que precisamos ter cuidado com os excessos. Você pode consumir cerca de 10% do valor calórico total de sua dieta de gorduras saturadas.

oleo-de-coco-vilao-ou-mocinho-OESTILO2

Além disso, tem que ser analisado todo um contexto (sedentarismo, tabagismo, alcoolismo) e já existem diversos protocolos diferentes, como a dieta cetogênica, e não podemos esquecer a individualidade biológica de cada pessoa.

Além do óleo de coco, a manteiga, o queijo amarelo e a salsicha estão no mesmo grupo de alimentos ricos em gordura saturada. Precisamos ter cuidado para não propagar terrorismo nutricional acerca de um alimento, quando devemos apenas ter moderação. Às vezes, um alimento não tem um bom valor nutricional, mas faz muito bem para a “cabeça” da pessoa.

O óleo de coco ainda é uma preparação mais natural do que os óleos vegetais (soja, milho, girassol), mas caso ingerido em excesso, com certeza, fará mal.

A Associação Americana do Coração (AHA) recomenda em suas diretrizes a substituição do óleo de coco por gorduras poli e mono insaturadas, encontradas no azeite, abacate, peixes, nozes, sementes.

Dadas essas informações, e sabendo da grande procura pelo óleo de coco, é bom lembrarmos aqui que não há qualquer evidência nem mecanismo fisiológico de que o óleo de coco leve à perda de peso. Não vejo sentido em utilizar o óleo de coco com finalidade terapêutica para emagrecimento, considerando que não há evidências científicas de eficácia. Por outro lado, não vejo problema algum em consumir óleo de coco em preparações caseiras, como em sobremesas.

 

Rafael Vasconcelos
Nutricionista
Contato: (85) 9816-33813
Instagram: @rafavasconceelos

Assinatura Rafael Vasconcelos

(Fotos: Reprodução / Google)