Será que a dieta Low Carb pode diminuir a expectativa de vida de seus adeptos?

Será que a dieta Low Carb pode diminuir a expectativa de vida de seus adeptos?

Um recente estudo publicado na The Lancet, uma das revistas científicas mais prestigiadas do mundo, causou bastante polêmica. O artigo em questão fala sobre a dieta low carb (dieta baseada em uma redução do consumo de carboidratos) diminuir a expectativa de vida de seus adeptos em quatro anos.

Foram estudados 15.428 adultos entre 45 a 64 anos de idade nos Estados Unidos. Durante o estudo, que durou cerca de 25 anos, pouco mais de 6.000 pessoas vieram a óbito e, ainda de acordo com a pesquisa, os adultos que tinham baixo consumo de carboidratos se mostraram 20% mais propensos a morrer.

sera-que-dieta-low-carb-pode-diminuir-expectativa-de-vida-de-seus-adeptos-OESTILO4

Esses adultos participaram da pesquisa por meio de um questionário alimentar chamado recordatório alimentar, onde você anota tudo o que comeu durante o dia fazendo um registro das últimas 24horas. Mas é bom lembrarmos aqui que o próprio recordatório possui alguns viéses, como a memória e a honestidade dos participantes.

Quando o estudo conta com um “n” (número de pessoas que participou da pesquisa respondendo o questionário) muito grande, possui algumas limitações. A primeira limitação em que observo no estudo é que ele levou em questão a mortalidade levando em conta apenas fatores dietéticos. Esqueceu-se de analisar fatores como obesidade (IMC), sedentarismo, tabagismo, alcoolismo, horas de sono, estresse.

Somado a isso, o fator dietético analisado em questão possui uma margem muito grande para observações, dietas low carb podem ser de 10% a 40% do valor calórico total da dieta, o que torna a interpretação bastante complexa e difícil (o indivíduo que ingere 15% é totalmente diferente do que ingere 40%, metabolicamente falando).

sera-que-dieta-low-carb-pode-diminuir-expectativa-de-vida-de-seus-adeptos-OESTILO3

Recomendações mais recentes colocam esta margem de carboidrato até como “moderado”, não sendo “low” (baixo carboidrato). Além disso, não foi analisado o tipo de carboidrato, se eram carboidratos refinados, complexos, quantidade de fibras e vegetais.

Não podemos levar em consideração o aumento do índice de mortalidade apenas com estes fatores que o estudo citou. De uma maneira geral, uma dieta low carb, se não houver uma seletividade boa de vegetais, pode ficar pobre em fibras e realmente é um dano muito grande ao intestino. Acredito numa nutrição baseada na ciência, mas sem extremismos desnecessários e terrorismo, precisamos sempre estudar e analisar fielmente esses estudos.

 

Rafael Vasconcelos
Nutricionista
Contato: (85) 9816-33813
Instagram: @rafavasconceelos

Assinatura Rafael Vasconcelos

(Fotos: Reprodução / Google)