Você tem medo de mudanças?

Você tem medo de mudanças?

É meu primeiro dia, meu primeiro texto, nosso primeiro contato aqui no portal. E tô muito, muito feliz por isso. Sabe quando você é completamente apaixonada por uma coisa e é convidada pra fazer exatamente aquilo que ama? Pois é. Então, antes de qualquer coisa, queria agradecer pela oportunidade. E como se trata do primeiro post, gostaria de começar falando sobre:

mudanças.

Vocês já repararam como temos certo receio quando recebemos um novo convite, quando se abre uma nova porta? Por mais que seja algo relacionado ao que já fazemos, por mais experiência que a gente tenha, vem aquele (bom) e velho frio na barriga. E só temos duas opções: encarar ou não.

Eu tenho muito problema com mudanças, gente. Muito mesmo. Tudo que mexe com a minha rotina, que muda meu cotidiano, por menor que seja essa variação, cria em mim uma certa resistência. E o interessante é que eu nunca percebi isso, até que um amigo me fez essa crítica. Comecei a me policiar e me dei conta do quanto aquilo pesava na minha vida. Sempre fui tão metódica, sempre gostei de fazer tudo tão programadinho, que uma simples modificação em qualquer coisa no meu dia chegava a me tirar o humor. Agora me digam, como viver tudo de maneira regrada em um mundo tão cheio de imprevistos? Não precisa ser especialista no assunto pra saber que o resultado é sempre sinônimo de sofrimento, né? E pior, uma dor desnecessária, criada por costume, comodismo, essas coisas. No fim das contas nem vale a pena.

Em contrapartida a tudo isso, sou uma verdadeira metamorfose. Vivo mudando. Já fui tanta coisa e coisas tão diferentes, que vocês se surpreenderiam. Tenho medo de mudanças, mas gosto de mudar. Já fui bailarina, saxofonista, me formei em gestão de recursos humanos e depois fiz publicidade. Fui professora de dança, toquei sax em banda de forró, ministrei curso de relações humanas, fiz curso de cinema. Mas incrível, minha paixão pela escrita sempre falou mais alto. Na agência de publicidade eu era redatora. Na assessoria de comunicação também sou. Redatora e roteirista. Mas quem escreve sempre quer mais, nunca se contenta com o que já faz. Então, nesse meio tempo criei o blog Conversa de Gente Fina (que já vai fazer 5 anos), comecei a escrever o Incondicional, meu primeiro romance, fiz alguns cordeis personalizados, virei colunista do Obvious e agora também colunista do OEstilo. E todas essas coisas que fiz, fiz com muito amor. Mas nas que envolvem escrita o amor está muito mais presente, acreditem.

Então, eu queria repensar sobre o que eu disse ali no início. Não sou tão avessa a mudanças. Sou avessa a mudanças no cotidiano (mas não se preocupem, estou trabalhando bem isso, tanto que não pensei duas vezes quando surgiu o convite pra participar aqui do OEstilo Cika Calixto). Na verdade eu amo mudar, amo ser essa metamorfose. Gosto de ser uma hoje e outra amanhã. O mundo é tão vasto e a gente tem tantas opções, né? Há tanto a se conhecer, tanto a se experimentar! Dá em nada ficar enraizada no mesmo lugar. Então, em nosso primeiro dia, queria dizer a você: se tiver oportunidade, mude. Arrisque. Não tenha medo. Vá em frente. Mas jamais abra mão daquilo que você ama. Eu continuo mudando, mas não abro mão de escrever. E você, não abre mão de quê?

Fotos: Daniel Ferreira

  • Terdany

    Odeio me sentir entediado, por isso, sempre to inventando um jeito novo de fazer as mesmas coisas! Ah, amo o Conversa de Gente Fina e a gente fina, Bia Lopes. Meu sonho é te conhecer! ❤️